Brasil vence os Emirados Árabes em último teste antes da Olímpíada

A seleção olímpica venceu os Emirados Árabes, nesta quinta-feira (15), na Sérvia, no último teste antes dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Os comandados de André Jardine ficaram atrás do placar duas vezes durante a partida, mas conseguiram se recuperar na partida e bater o adversário por 5 a 2. 

O Brasil começou a partida com tudo, impondo muito ritmo e pressionando a saída de bola dos Emirados Árabes. A seleção empilhou chances na primeira etapa e a primeira grande oportunidade brasileira veio com Guilherme Arana. Claudinho recebeu cruzamento na ponta e ajeitou para o lateral esquerdo, que chutou forte, mas a bola passou ao lado da trave. Depois, Antony teve boa chegada pela ponta direita, mas parou no goleiro Almenhali.

No entanto, a regra universal do futebol, o “quem não faz, toma”, deu as caras novamente. Na primeira chegada dos Emirados Árabes, o gol acabou saindo, mas pelos pés (ou melhor, coxa), de um brasileiro: Nino. O zagueiro do Fluminense tentou bloquear o cruzamento de Alkaabi, mas acabou desviando contra o próprio gol.

O volume do Brasil não diminuiu após o gol. Antony era a arma mais perigosa, sempre pelo flanco direito, cortando da ponta para o meio e levando muito perigo. O gol de empate brasileiro veio ao final da primeira etapa, com Diego Carlos, de cabeça, após belíssima cobrança de escanteio que saiu dos pés dele: Antony.

Segundo tempo de muitos gols

Na volta do intervalo, a seleção olímpica não tirou o pé do acelerador e continou a levar muito perigo ao gol de Almenhali. Assim como na etapa inicial, o Brasil empilhava chances, mas viu os Emirados Árabes assumirem a ponta do placar mais uma vez, em outro erro do sistema defensivo. Alnaqbi apareceu entre os zagueiros brasileiros e desviou a bola alçada na área, no canto direito do goleiro Santos. 

Faltando menos de 10 minutos para o final da partida, a seleção de Jardine deslanchou e fez mais dois gols. Matheus Cunha desarmou o defensor na entrada da área e chutou firme, rasteiro, para fazer o quarto gol do Brasil. 

O quinto também saiu pelos pés do camisa 9. O xará Matheus Henrique invadiu a área e serviu o companheiro, que só teve o trabalho de empurrar para as redes e decretar o placar final da partida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *