Femismo

Femismo

Oiii maravilhosas tudo bem?

Hoje vim conversar um pouco sobre feminismo com vocês, afinal muitas pessoas se apegam à algumas idéias erradas sobre este tema.

Quando falamos de feminismo estamos defendo o direito da mulher de igualdade. Igualdade de direitos, direitos esses que já estão garantidos pela Constituição, mas não estão garantidos na sociedade.

Historicamente a mulher não era reconhecida como sujeito de direitos, mas sim como propriedade de seus pais, maridos ou irmãos, ou seja – qualquer chefe da família. Somente em durante o Império 1822-1889 é que as mulheres tiveram seu reconhecimento do direito à educação.

Em relação ao mercado de trabalho mudanças começaram a acontecer após 1907 e 1917, com a greve das costureiras, que buscavam melhores condições de trabalho. E, ainda no século XX, ou seja – quase ontem – é que foram retomadas discussões a cerca da participação da mulher na política. Em 1922 é que iniciou a batalha pelo voto e livre acesso ao campo de trabalho.

E, em 1928 apenas foi autorizado o primeiro voto feminino, mesmo ano em que foi eleita a primeira prefeita no país – ambos os atos foram anulados, mas abriu um precedente para o direito à cidadania feminina. Após 4 anos, em 1932 foi garantido o sufrágio feminino – sendo inserido o direito ao voto e a candidatura de mulheres, no Código Eleitoral Provisório. Conquista que só seria de fato plena em 1946, com a inserção na Constituição. E, em 1945 a primeira deputada federal é elegida integrante da assembleia dos anos seguintes.

O direito ao divórcio foi aprovado apenas em 1975, após anos de militância por meio de jornais, reuniões e artes em geral. Foram anos de repressão, carência, de exclusão e sofrimentos vividos por essas mulheres – nossas mães, avós, bisavós…

Neste mesmo ano, ano Internacional da Mulher, houve vários debates sobre as condições da mulher e foi criada a Fundação das Mulheres do Brasil.

Na década de 80 foi criado o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher que passaria a ser a Secretaria de Estado dos Direitos da mulher.

Até os dias de hoje o movimento incorporou questões que necessitam de aprimoramento, como igualdade, equiparação salarial, assédio e violência contra a mulher.

O movimento feminista traz em sua história grandes conquistas que muitas vezes passam desapercebidas aos nossos olhos que não vivenciaram aquela realidade, mas a jornada é longa quando pensamos nos direitos da mulher e igualdade de gênero.

Se pensarmos que a Lei Maria da Penha foi aprovada apenas em 2006 após 23 anos que Maria da Penha Maia Fernandes foi agredida severamente pelo marido podemos avaliar o grau de necessidade de união entre as mulheres para que mais conquistas sejam realizadas.

Nos últimos anos muito foi pregado sobre feminismo e muitas coisas foram distorcidas em relação à esse movimento, mas feminismo não tem partido, feminismo não é agressivo, feminismo não é sexista (ou seja, não busca impor superioridade feminina), mas sim IGUALDADE, feminismo não é de direita ou de esquerda, feminismo é união, união entre as mulheres, é união para conquistar.

Blanda Kuhn

Please follow and like us:
Corpo e Mente